terça-feira, 22 de novembro de 2011

so sorry

(foto minha: camden town-regente canal)

Ontem ouvi na rádio que Londres tinha sido coberta por fortes nevões. Mais de 200 voos cancelados. O caos nos aeroportos. Mais um ano passou - tão rápido - e tudo se repete.
Sorri. Discretamente. Não fosse algum passageiro, sem humor britânico, fulminar-me.
Mais uma vez e sempre, foi Londres no ano passado o meu destino. Mas pela primeira vez em muitas, no Natal. Sonho antigo. Coisas minhas.
Também eu fui vítima dos nevões, dos voos cancelados, dos nervos do check in, das filas no exterior do aeroporto.
Queria lá saber. Que nevasse! Que descesse a temperatura a negativos. Que o Holland Park já não fosse verde. Que acordasse às sete e flocos de espuma me batessem nas portadas. Que os ponteiros do Big Ben escorressem branco. Que desfilassem pelas ruas apinhadas, cachecóis gigantescos, gorros carnudos e botifarras de pêlo com gente lá dentro. Que o chocolate quente me aquecesse as luvas. Que enregelasse a ouvir os coros de Natal. Que houvesse sempre Chelsea e Kings Road. E Camden Town. Que almoçasse às quatro da tarde e já fosse noite. Que calcasse 4 pares de meias. Que fosse Inverno.
Que fosse eu.
Que fosse Londres.

11 comentários:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Quando estamos fora do nosso habitat e em puro relax, a neve em vez de atrapalhar, torna-nos cúmplices. É mais ou menos como a teoria sobre a criatividade que acabei de ler há minutos no gabinete do Paulo

CNS disse...

Que fosse Londres com todo o seu charme de Natal :)

Lucia Luz disse...

Quando estamos vivendo o que era sonho, pode vir o que for, desde que se viva o tão sonhado momento.
Beijinhos

Lucia

Justine disse...

Que peso podem ter os pequenos incómodos do quotidiano quando se realiza um sonho?
Que bem descreves esse confronto:)))
Beijo

paulofski disse...

Londres ainda não conheço. É um desejo contido que no futuro espero realizar, nem que vá só para fotografar bicicletas enterradas na neve.

salvoconduto disse...

É sempre a mesma coisa! Ah e tal acordar às sete com os flocos de espuma a bater nas portadas e os ponteiros do Big Ben a escorrer branco…, espuma só a da cerveja e tem que ser pouca e branco passo prefiro o tinto. Quando julgo que estou quentinho há-de aparecer o surdo do Mendonça a abrir as janelas e logo com a neve a querer entrar, irra!
Agora já nem com chá ou chocolate quente e muito menos com sorrisos disfarçados, só lá vai é com o tinto à hora do jantar. Até lá vou ter que calçar as pantufas, está-se mesmo a ver, e eu que os tinha tão quentinhos.
Malditos ingleses, só por isto mereciam perder com o Benfica, ou até empatar já que não vou à bola nem com uns nem com outros. A nevar que seja em cima dos lampiões qual Big Ben.

annie hall disse...

:)Bom lembrar dias felizes :)

Gi disse...

Sometimes London's burning, other times London's calling.

paulofski disse...

Congelou...

Ó faxabôre! É pra desejar um Feliz Natal, quentinho e cheio de graça.

George Sand disse...

Um Feliz Natal para si e para os leitores do seu blogue

George Sand disse...

É bom Londres e a neve