segunda-feira, 25 de outubro de 2010

policial da enforcada


O curador deu a última volta aos papéis da sua secretária, apagou a luz do candeeiro de mesa e quando esticou a mão ao bengaleiro, para retirar a sua gravata, não a encontrou. Achou estranho. Lembrava-se perfeitamente, depois da última reunião do dia, com aquele mecenas belga, de a ter desapertado e pendurado ali.
Rodopiou sobre si, numa tentativa de encontrar uma ponta de encarnado, mas nada. Resolveu então abrir a porta e sair da sua sala. Achou ridículo, mas ia perguntar à sua secretária Laurinha, se a tinha visto. Não gostava nada de confianças com o pessoal, ainda por cima, de perguntar por roupa perdida, mas... adorava aquela gravata.
No mesmo instante em que ia abrir a boca, percebeu logo que a secretária não só tinha visto a gravata, como também a havia experimentado.
Pendurada no lustre de cristal baccarat, do hall, 45 quilos de Laurinha, esgazeada de todo, de olhos revirados e língua azul, tombava a cabeça para o lado esquerdo, babando a sua gravata encarnada de seda.
Que maçada! - pensou. Dificilmente aquelas manchas iriam sair.
Recompôs-se e ainda aparvalhado com a cena, que se apresentava perante os seus olhos, o curador só se lembrou de dizer:
Laurinha! Mas que disparate é esse? Desça já daí!

11 comentários:

paulofski disse...

Mas que forte sentido de humor Laurinha. 45 quilos! Já não se fazem lustres assim.

annie hall disse...

Realmente Laurinha !
p.s. humor negro ... fico sempre com vergonha por achar graça -:)

Pitanga Doce disse...

Eu acho mesmo um abuso a secretária que assim experimenta a gravata do chefe sem a sua autorização. Era caso para ser despedida por justa causa.

Bom dia, Patti.

Luísa disse...

Arrepiante, Patti! Mas há, realmente, chefes capazes de levar a mais sensata das Laurinhas ao suicídio. :-)

BlueVelvet disse...

Continuas com o humor fininho de sempre.
De facto, perante tal situação, o grave mesmo era como iriam sair as manchas.
E o pior é que acredito que há gente que agiria assim.

Justine disse...

Que outro modo de encarar os tempos que correm senão pelo nonsense??
Excelente!

Rosa dos Ventos disse...

Rua com ela!
Uma abusadora... :-))
Também ri, não esperava este final!

Abraço

Laura Ferreira disse...

Alguém me chamou?? :)

Um beijinho,

ematejoca disse...

Que história tão macabra, mas à qual achei imensa graça!!!

Gi disse...

A Laurinha só queria ir puxar o lustro ao lustre.

Luís Coelho disse...

Belo conto que poderia ser também com qualquer um de nós.
Crónicas simples, bem humoradas e afinal com uma mensagem a reter......
Qando nos agarramos a coisas que passam no tempo...vaidade...
Virei seguir os seus contos.