terça-feira, 1 de julho de 2008

daqui do campo

fotos minhas

Estou descalça debaixo da árvore, deitada nesta cadeira de verga a escrever, sobre aquilo que eu já não me lembrava. Que no campo o calor é mais forte e seco.

Não me lembrava que os aranhiços de pernas finas, viviam dentro das nossas casas. Eles e outros seres minúsculos, rastejantes e silenciosos, de quem eu nunca soube os nomes. E bichos-de-conta também.

Não me lembrava que a noite do campo é mais densa e escura que as noites nos outros sítios. E que há mais estrelas nesta noite funda. Estrelas grandes e pequenas. Às vezes cadentes. Para pedir desejos.

Também já não me lembrava do nome de alguns pássaros, do reflexo que fazem certas árvores, do barulho da fruta madura a bater no chão e da cor de algumas flores.

E que as perdizes passeiam sempre aos pares. Uma atrás da outra. Como os namorados. E se por momentos se perdem do seu par, porque eu ando atrás delas para as fotografar, ficam preocupadas. A olhar para mim. Não ficou linda?



Paro de escrever porque um piar diferente me interrompe. Olho para a buganvília cor-de-rosa e vejo uma mãe a dar de comer aos filhos, de boca completamente aberta.

Procuro uma escada alta ...




E encontro isto! Quatro istos.



E uma mãe melro, desesperada a piar na árvore atrás de mim.


Vou-me já embora, minha querida, é só fotografar os teus meninos. Fica descansada! Não imaginam a aflição dela.
Mãe, é sempre mãe, em todos os ecossistemas.

Os humanos nunca vão saber, o tanto que ainda lhes falta aprender.

Quando anoitece no campo, as andorinhas fazem voos rasantes na piscina, para beber a água azul. Os pardais elegem uma árvore especial, onde se juntam todos para contar como foi o seu dia. No maior dos chinfrins, chilreiam até adormecer.

As borboletas, já cansadas, pousam-me nos dedos. As moscas e as abelhas param de me chatear. As sombras da tarde aproximam-se devagar da relva e abraçam a minha espreguiçadeira de verga, avisando-me que vem ai a brisa fresca do fim de tarde. E ao som das cigarras sempre escondidas, vou buscar uma camisola de algodão, para me aquecer os ombros.


Não há limão para temperar as febras, que já estão prontas para o grelhador. Não faz mal. Colhem-se os mais amarelos desta árvore. E janta-se ao luar com os amigos.

Ainda atendo o telefone, que toca baixo e falo com outros amigos; as meninas do jantar da Imbicta.

No jardim tocou Bossa Nova e Jazz. Todo o dia.

Para adormecer é difícil. Não se ouve quase nada. Nem o som de carros, dos camiões do lixo, de portas a bater, do sobe e desce dos elevadores ou as vozes roucas dos noctívagos.

Só distingo o ladrar dos cães.

Lá longe.

E a presença teimosa do calor, que me avisa que vou escrever este post.


foto Zé Gonçalves


durante a semana, mais fotos por aqui

29 comentários:

f@ disse...

Gostei mto deste post... de tudo do texto e das imagens... adorei a imagem dos piu piu bébés ,... mas a que eu mais gostei foi esta última... a luz a noite... mágica...
como falas dos bichitos tb achei o máximo... Bichos da conta... bichos de faz de conta... faz faz... uf
bj das nuvens

Vera&Catarina disse...

Lindo texto!
Lindas fotografias!
Inveja do teu fim de semana campestre!
No próximo sou eu a mudar-me p'ros lados de Leiria...o Mar tem q estar sempre por perto ;-).
Bjs
Vera

mariam disse...

bem... deliciosa narrativa, e imagens fantásticas, deve ter sido uma emoção! (esses momentos é que fazem bem à pele, à alma... isto sim, são produos reafirmantes!)

boa semana
obrigada por partilhar

um sorriso :)

LeniB disse...

Ah! Como eu recordo as noites do campo...são mesmo diferentes: há mais estrelas e muito menos barulho.
Recordo as férias passadas na aldeia, as noites mornas... e fico-me por aqui!!
Só acrescento que naquele tempo o som era o das violas e o espaço era o largo da fonte.
Tens o dom de me teletransportar ao passado...
Pago para ver uma foto tua a nadar na piscina!

PDuarte disse...

És mesmo uma brisazinha de Verão.

Gi disse...

Depois de tanta fadiga só podias é mesmo descansar ... preguiçando!
Lindas as fotos.

♥♫♪@nn@♫♪♥ disse...

fim de semana "de rêve"

e tu descreves tudo tão bem que parece que até la estivemos tambem ;)
merci
boa semana

Nina disse...

Ah, que fotos bonitas e texto idem. Dá vontade de subir nessa escada e olhar do alto da casa florida. Gostei. Delícia de fim de semana, sem conseguir dormir por causa do silêncio... engraçado isso não é?

beijos

annie hall disse...

Está mesmo muito perto :)
Bom resto de ferias neste nosso campo.

Ka disse...

Excelente esta tua descrição de um dia no campo...
E de repente senti-me uma poluidora pela telefonema a estragar toda essa calma (para quem não sabe o ambiente de fundo do telefonema era de um ruído ensurdecedor!!!)

Beijos

BlueVelvet disse...

Eu que sou praia, praia, praia, até fiquei com vontade de passar um fim-de-semana no campo, depois de ler o teu post.
Quanto às fotografias...uma beleza.
Gostei muito.
Veludinhos azuis

Su disse...

Cenário mais encantador esse, que ofereces com regalo... sabes que a vida é isso mesmo, poder repartir e sorrir por isso.

Beijo de obrigada pelo texto lindo.

claudia disse...

Que tranquilidade!!! Nao existe melhor para aliviar o stress!

bjos

LeniB disse...

brisa de verão??? mas tu nem gosta de praia, nem de calor...lol

Rocket disse...

isto dos blogues é uma descoberta...

o teu acto aqui não é simples boa escrita...é comunicação pura. talve a essência do futuro da escrita em si...

Miriam disse...

Esse encontro com a natureza é sempre especial...aproveita muito Paty...curte muito os teus....

Bjuss de carinho

Coragem disse...

Senti-me lá, ou aí, fiquei na duvda se ainda etás no campo...

Eu vivo, praticamente no campo,
Como me identifico com muitas imagens que colocaste (lindas)
Aqui os pássaros, já nem têm medo de nós, pousam e comem a alpista dos meus passaros, descaradamente.

Que texto magnifico patti, uma vez mais.

Beijinho

Os_meus_rabiscos disse...

Adorei texto, fotos e música! Voltarei...

paulofski disse...

Não te admires se um destes dias eu fizer um post do meu campo, assim como o teu, só que o meu não tem a piscina que eu tanto gabei. Tem rio e ribeiro, tem velharias e beleza, e outras coisas que só o campo tem.

Bjs.

de dentro pra fora.... disse...

Afinal parece que continuas na preguiça.. :))
que booommm!!..

FM disse...

Muito, Muito Obrigado pelo Carinhodas tuas palavras... A "Folha" est� guradada com especial destaque no meu escrit�rio.
Quanto ao "Para�so" onde te "resguardas", s� desejo que continue a fazer com que te sintas especial.
Beijos.

Olá!! disse...

Hoje tive um dia medonho... ruim mesmo... daqueles de não parar para "NADA" e acredita que o teu texto me relaxou, obrigada.
Beijosssssss

Pitanga Doce disse...

Diz lá que quando escreveste este texto pensaste em mim e só assim é que te perdoo.
Quantas linhas tenho para este comentário? Não, não vai caber.
As tardes no campo, o jantar ao luar, as estrelas que parecem tooodas concentradas sobre as nossas cabeças e depois o ladrar dos cães láá longe. O fruto tirado do pé e usado logo em seguida. Os pássaros que só cantam pra nós e mais ninguém. Tens idéia do quanto sinto a falta disto? Do quanto isto já foi meu? De que eu já tive direito a isto...tinha sim.

Ainda bem que postei lá em casa antes de vir, senão não saía mais nada hoje.

Vou tomar um guaraná, que dá energia, e respirar fundo. O dia ainda é longo pra mim. É uma e meia da tarde.

beijos Patti, e toma um chope por mim

1/4 de Fada disse...

Que maravilha de imagens, Patti. Neste momento os meus filhos estão a passar uma semana semelhante, com os meus pais, também num sítio onde só se ouvem os passarinhos, as cigarras, os cães, à noite uma coruja, também há buganvílias e relva... De repente deu-me uma nostalgia que nem imaginas!

xô disse...

o teu post dá uma sensação de paz,e então esta musica...dava para sentir o calor,o cantar aflito dos passarinhos.belas fotos,se fosse eu tinha caído do escadote,amiga!Que tal irmos em setembro?Fazias de guia? beijokas

D.Antónia Ferreirinha disse...

Eu sei muito bem do que escreves, porque a menina aqui, vive rodeada de campos e serras.
Beijinho.

Rafeiro Perfumado disse...

Bela casa, belo dia. Quanto ao ladrar dos cães, era eu a festejar a descida do IVA...

Fatima disse...

Patty
Adorei este post!
Nunca deixes de escrever!

Alecrim disse...

que post delicioso!