segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

adornos da natureza

Num sonho que tive, uma fada já velha e sábia, contou-me que a luz dos pirilampos servia para iluminar os vestidos das fadas, que nasciam durante a noite.
Os vestidos? perguntei eu, espantada.
Claro, nós nascemos despidas como vocês, mas como não temos uma mãe individual que nos escolha o que vestir, pois surgimos das caudas incandescentes das estrelas cadentes, ficou tudo combinado desta maneira com a mãe-natureza.
Assim, sempre que uma estrela morre e nos liberta pelo céu, através do seu manto brilhante, a árvore do traje enche-se de prestáveis pirilampos, que nos iluminam os vestidos coloridos, pendurados nos ramos.
E os vestidos nascem nas árvores? tornei eu a perguntar.
Ai que tonta, obviamente que não!
São deixados todos os dias ali, pelos beija-flor e pelas garças-reais, que nos fazem o favor de os trazer do atelier dos bichos-da-seda.

Realmente, faz todo o sentido, pensei eu quando acordei. Nós humanos, é que mais uma vez complicamos tudo.

28 comentários:

Gi disse...

Ai as sortudas que escolhem logo o traje onde vão viver.
Eu, como fada que sou, quero o cor-de-rosa que está no galho do r/c direito.

Si disse...

Sabe o que me lembrou este texto?
A colcha dos Pássaros de Seda que a Rosinha bordou....
Beijinhos

Patti disse...

Si:
E é o meu livro preferido dela, o segundo.

susana catarino disse...

e que belos sonhos... gostei de imaginar vestidos que os pirilampos, os beija-flor, as garças-reais e os bichos da seda fazem com tanto e empenho:)

é tão fácil sonhar!

Si disse...

O meu também!
E a cena preferida, a do parto...
Intensa, até arrepia!

(O que menos gostei, à excepção do último, que ainda não li, foi mesmo o 1º, Pranto de Lúcifer)

Rosa dos Ventos disse...

Também gostei desse livro!
E pelo sonho é que vamos...

Abraço

Pitanga Doce disse...

Esta tua árvore de vestidos, que é iluminada por pirilampos, combina perfeitamente com o meu farol e sua luz.

Podes emprestar-me aquele rosa lá ao fundo? Quero chegar bonita ao farol.

salvoconduto disse...

Garanto que já vi um vaga-lume todo amaricado num vestido de lantejoulas!

Nina disse...

lindo texto Patti, se minha filha lesse iria adorar tbm!

ela acredita tanto em fadinhas :)só nao sei de que livro vcs estão falando, nao conheco :(

Miepeee disse...

Como eu gostava de ser uma fada :)

Paulo Cunha Porto disse...

Querida Patti,
cá vem este desmancha-prazeres prosaico descer o nível do feérico ao terra-a-terra: os humanos ainda aprenderam algo com as fadas, embora com resultados só mediatamente luminosos - enfiam as garrafas nas peras em crescimento para, quando elas estiverem no ponto, fazerem a aguardente das ditas, que é deliciosa.
Mil desculpas, foi o paralelo que se conseguiu arranjar, entre o devaneio subtil da Feminilidade e a brutalidade das másculas bebedeiras.
Beijinho

Patti disse...

PCP:
Pois, já estou a ver que o fim-de-semana, foi de farra. Bom, à sua maneira o Baco, também pode ser considerado uma espédie de fada...

O2 disse...

Aiiii, qui lindos... :) eu que só tenho um vestido no armário senti-me culpada... eu adoro vestidos, usar é outra coisa... agora iluminados, bem uma historia de encantar... deu vontade de ler em tom de poema.

Este natal e minha arvore tb vai ser diferente, á beira mar com certeza vamos vestila de buzios ou conchas, salpicada de areia dourada... pq não?

Beijos do sul.

Patti disse...

02:
Uau! Uma árvore de Natal aí no sul, enfeitada com conchas e búzios e salpicada de areia!

paulofski disse...

Essa árvore é bastante original e ecológica! Dá para emprestar alguns desses pirilampos? A minha árvore de natal já tem algumas luzinhas em falta!

Justine disse...

Queres contar de novo esta encantadora história na Primavera? É que me custa tanto conciliar fadas, pirilampos e beija-flores com o frio e a chuva. Eles são seres das noites tépidas...
Vá lá, conta outra vez na primavera:))

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Na minha árvore de Natal existem Fadas que,de quando em vez, levam um pouco de calor aos mais desfavrecidos. É na companhia delas que todos os anos procuro levar um pouco de conforto aos sem abrigo. Que já não acreditam no Natal, mas ainda acreditam em Fadas.
Belíssimo texto, como sempre, Patti!

claudia disse...

Sres e Sras, benvindos ao mundo da Fantasia da Patti!!! Um lugar de sonho e fantasia. Nao estao todos mais calmos???
bjos

1/4 de Fada disse...

Patti, gostei tanto do teu sonho que não tenho nenhum comentário inteligente para fazer, só mesmo posso dizer que adorei.

Precis Almana disse...

E que árvore de Natal original daria uma com vestidos de papel, daqueles que vinham nos livros para enfeitar as bonecas, também de papel, que havia na minha infância...
A minha mãe todos os anos enfeita as árvores com decoração diferente. Vou dar-lhe esta ideia... :-)
Quem me dera ter sonhos assim!

cristina ribeiro disse...

Como os lírios do campo.
A mim lembrou-me o filme da Cinderela, com aqueles ratinhos e passarinhos a coserem o vestido.

BlueVelvet disse...

Patti,
como andei a enfeitar a casa não consegui vir mais cedo.
Que linda história.
Como eu gostaria de ter um filhote pequenino a quem a contar.
Do melhor que já escreveste.
Ainda por cima com pirilampos.
Amei.
Beijinhos

pedro oliveira disse...

É bem verdade, a nossa mania de complicar tudo...

Diana Norinho disse...

Já tive bichinhos da seda em casa. Confesso que não lhes achei grande graça. Sim, pronto, tenho que admitir que os casulos tinham o seu encanto assim como assistir ao evoluir da sua construção, mas os animaizinhos em si...lagartichas...nhaccc...
Nunca os vi fazer os vestidos das fadas. Deviam costurá-los na calmia da noite, no escuro, discretamente para que ninguém se apercebesse.

Ka disse...

Lembrei-me de imediato das fadas da cinderela :)

Beijos

ps - de facto nós temos o complicador ligado não é?

mariam disse...

MARAVILHA!

:)***************

PAS[Ç]SOS disse...

Patti,

Ainda não lera este seu texto. E, irrefutavelmente, ele só confirma o que já percebi noutros: a sua frutuosa imaginação. Quanto ao meu, ele foi pura tentação de ‘inventar’ um pouco a partir dos fantásticos quadros de Jacek Yerka, descobertos no blog da Vera de Vilhena. Bom fim-de-semana. E se me permite um segredo, pois aqui já não serão tantos os que ouvem... prefiro este seu lado criativo aos vírus que lhe assaltam os fins-de-semana. Mas, acho que outra coisa não seria de esperar.
PS. sem dúvida 100% de acordo com a virose complicadora dos adultos! Como é bom ter a simplicidade da infância.

Patti disse...

Obrigada Passos. São este tipo de textos os que me dão mais gozo a escrever, juntamente com os de caracterização de personagens, onde também a imaginação trabalha a todo o gás e posso criar as histórias e vida que em apetecer.
Adoro pegar numa imagem, numa pessoa, numa paisagem, num objecto e dar-lhe vida. Sempre fui muito observadora e atenta, registando tudo na cabeça. Eu até desconfio que o meu cérebro tem pastas de arquivo…

E por estranho que possa parecer, nunca escrevi nada na minha vida, a não ser há pouco mais de um ano, quando iniciei este blog.
Escrever é muito, muito difícil. Eu escrevinho só.