quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

no chiado, chiada-se *


Não sou de destinos, sinas, e futuros pré-estabelecidos e esta forma de pensar e ser, fez-me com o tempo, desviar de algumas direcções, romper com umas e optar por outras.
Prefiro o acaso, a surpresa e as coincidências. Depois sigo a intuição.
No feriado dia 8, quando fui passear para o meu Chiado, tive um momento desses. Muito breve, mas intuitivo.
Parei para tirar esta fotografia na loja Gardénia, porque gostei do azevinho na portada e enquanto enquadrava a máquina e esperava que as pessoas passassem, houve alguém que parou no lado esquerdo e esperou que eu disparasse, sem se atravessar na minha objectiva.
Nunca olhei para ele, durante esse intervalo de tempo em que esperava para disparar, mas sabia-o ali. Parado à espera da minha fotografia. E só depois passaria.
Quando terminei a foto, olhei e vi-o alto e elegante, daqueles que ficam bem ao Chiado.
Obrigada, agradeci eu e sorri-lhe. Lembro-me perfeitamente. E segui a 'chiadar' com a família
Mas aquela figura, que eu nunca tinha visto antes, ficou-me presa à ideia durante ainda uns momentos.
Porquê? Intuição, pressentimento, alerta? Destino ou coincidência?
Não sei. O que eu sei, é que aquele homem que eu nunca vira até aquele dia, com quem eu nunca falara pessoalmente ou sequer ouvira a voz, era afinal um vizinho meu.
Alguém com quem eu falo todos os dias desde Março, às vezes mais de uma vez, alguém de quem já conheço muitos dos traços da personalidade e carácter, com quem discuto ideais, brinco, falo sério, critico ou estou de total acordo. Alguém com quem já tenho um certo à vontade, confiança e amizade.
Por isso, fiquei alguns instantes a pensar naquele fugaz primeiro encontro.
O mail que me enviou no fim do dia, confirmou a coincidência do momento.
E ainda bem, que quando eu olho, vejo sempre.
A minha intuição não me enganou, eu conhecia-o!

Vão , que ele conta a versão dele.

28 comentários:

Gi disse...

Conta-me lá! E levavas os óculos escuros postos? É que tu olhas, vÊs e observas melhor por trás dos óculos.

Teresa Durães disse...

engraçados esses encontros! (e eu que vivi no chiado e o respirei durante anos)

Si disse...

Pois, os 41 trazem-nos uma intuição fortíssima, a que devemos dar muita atenção, mas não pode ter sido só fruto deste pressentimento.
Cá para mim, a versão é esta: O Sr. Carlos Barbosa de Oliveira, cuja curiosidade jornalística o deixa sempre em grandes pulgas, resolveu fazer por si próprio uma investigação blogobairrista, para avaliar o desempenho da PresidentA. Vai daí, muniu-se de uma câmara oculta e de um microfone à 007, e desatou a percorrer o Chiado, para cima e para baixo e para baixo e para cima, à procura de uma madeixa loura, de óculos escuros e calças de ganga, cheia de sacos de prendas, pendurados no mesmo pulso em que lhe pendia uma máquina fotográfica e um saquito azul. A suspeita, deveria, na mesma altura estar acompanhada, pelo menos, de uma adolescente de 13 anos, com cabelo mais escuro e de porte elegante, como convém a quem pratica dança e alta escola equestre. Sabendo, ainda, do gosto da visada, por pormenores de portas, frisos, molduras e afins, reduziu, assim, o perímetro da busca, a uma zona ainda mais delimitada do Chiado, e eis, senão quando, que TCHARAM!! dá de caras com a 'elle même', sorrindo vitorioso pela sua capacidade de observação e dedução, qual Sherlock!
Eu não estava lá, nem ninguém me contou, mas, aqui que ninguém nos ouve, posso revelar que fui eu que encomendei o serviço, não fosse a PresidentA
não ser digna dos cartazes eleitoralistas que ainda estão pendentes de aprovação....
Elementary, my dear neighbours...

rsrsrsrsrs

Cerejinha disse...

Porque é que não foi preciso chegar ao fim do post para saber de quem se trataria? Giro, isto da intuição :-D

Cerejinha disse...

Curioso, invariavelmente é a porta do lado oposto da rua que me chama sempre a atenção. Não, não é a da Cartier, mas a da florista. Essa sim, enche-me o rosto de um sorriso!

pedro oliveira disse...

Esta linda "história" vem de encontro à minha reflexão sobre o anonimato na blogosfera e a importância da palavra,que hoje está no vilaforte.Sim,Gostaria muito de vos conhecer a todos pessoalmente, mas as vossas palavras são o mais importante.É bom ser vosso vizinho!
No fundo já nos conhecemos a todos.
Beijos e abraços a esta vizinhança cheia de virtudes e qualidades.

Como é bom andar nas ruas das cidades que amamos.

Proposta de tema : que tal a tua avaliação sobre as decorações das nossas cidades neste Natal?

Precis Almana disse...

Que máximo! Adoro essas coincidências, acasos, destino, sei lá... E ando sempre à procura delas (como, aliás, viste no post dos parabéns :-))
Espero que tenhas tido um dia muito feliz.

Lúcia disse...

Que graça esta história:)

annie hall disse...

Uma delicia .
O encontro , a descrição que cada um faz .
Um encontro digno do Chiado e da Gardénia e claro reflete bem o discreto e elegante charme dos dois:)
p.s. vou repetir o comentário nas C.R.

paulofski disse...

O mundo é mesmo pequeno! Cruzamos com tanta gente que podemos até conhecer de outras vizinhanças.

Beijo.

de dentro pra fora.... disse...

Usando a frase que tanto gostas " há coisas fantasticas ,não há"

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Eu cá tinha as minhas razões para pensar que tinha fingido que não me conhecia!!!
Diga à nossa afilhada, faxavor, que não faço trabalhos por encomenda. Pimeiro, produzo, depois quem gostar, que compre...Mas confirmo, sim, que ela tentou aliciar-me para esse trabalhinho.
Agor, mesmo a sério... o facto de saber que ia andar por lá, contribuiu para me alertar os sentidos, mas a minha ida ao Chiado deveu-se,apenas, ao cumprimento de um ritual que cumpro sempre que estou por cá no dia 8 de Dezembro.

BlueVelvet disse...

Ai, a Gardénia!
Já não tem o charme de outros tempos, quando noa atendiam no andar de cima e faziam chapéus e capelines.Foi lá que o meu toucado ( imagina a palavra...) e o meu véu de noiva foram feitos.
Mas é uma referência do noso Chiado.
Quanto ao encontro, como tu dirias: Há coisas fantásticas.
Embora, aqui para nós que ninguém nos lê, cá para mim, como diz a Si, o cavalheiro bem-educado, andava era mesmo à tua procura. Rsrsrs

Mocho Falante disse...

ora viva

já li a versão dele e claro vim aqui ver a versão no feminino, adorei a coicidência, adorei esta ideia...parabéns

beijocas

sofia disse...

Adorei este Peter Cincotti.
Gostei tanto que agora tenho este blog sempre aberto para ouvir o album todo, e hoje vou passar na Fnac (do Chiado) para ver se por lá o encontro.

Ka disse...

Ai que giro !!!!

Vou já cuscar a versão do "bizinho"
eu tenho de fazer uma incursão a Lisboa para me esbarrar por aí com a "bizinhança!!!!! lol

Beijinhos

ps - E ressaca hoje, há???

Filoxera disse...

Adorei, andar daqui para ali, da Graça para o Rochedo.
Bom, este vosso enredo (olha, rimou!).
Beijos.

O2 disse...

:) Intuições á parte, essa entrada esta um must, obrigada pela oferta!

Bjos e bjos

1/4 de Fada disse...

Isto da intuição dá pano para mangas. Eu tenho algumas histórias engraçadas, mas realmente esta está magnífica. Tenho que ir ler a outra versão...

Victor Cardoso disse...

É o destino, meu amigos, éodestino....

Paulo Cunha Porto disse...

Ora, Querida Patti isso não é intuição, é Ciência. A mais recente Lei da gravidade na formulação, antiquíssima na comprovação: Os Espíritos de Elite encontram-Se sempre.
Beijinho e um Abraço ao Vizinho Celebrado

Si disse...

Vizinhança,
Quero publicamente pedir as minhas humildes desculpas por ter embaraçado o Carlos com uma brincadeira sobre a versão deste encontro, no comentário que fiz, mais acima.
O Carlos é um cavalheiro e, obviamente, não andou a seguir ninguém, muito menos a mando de ninguém. Foi uma resposta impulsiva a um episódio que achei imensamente engraçado.
Esperando ser perdoada pelo Padrinho, e pelo eventual embaraço que lhe causei, desfaço aqui o embróglio e afirmo HONNI SOIT QUI MAL Y PENSE!!
(farei copy/paste deste comentário para o Rochedo)

LeniB disse...

Depois contas-me tudo!!!
Continuo a acreditar que não existem coincidências...

cristina ribeiro disse...

...e deliciada continuo, vinda de lá. Ele sempre há coisas! :)

ines disse...

O que eu gosto destes "passeios" que dou contigo!
Era eu menina entrei várias vezes vezes à Gardénia, com a minha avó!
O que me fascinava ver aquelas "caras" sorridentes com os mais bonitos chapéus que alguma vez sonharia em ver de tão perto! As rendas, as pedras e penas, as cores, aglomerados nas prateleiras queimadas, era um dos Palácios dos meus sonhos!

Su disse...

gostei de ler

giro esse "encontro"..mas é obvio que o moço estava alerta...afinal dia 8 no chiado............:)

a si....escreveu bem ehhe:)

jocas maradas.sempre

ines disse...

Voltei
a vida é feita de
encontros e desencontros,
momentos bons e menos bons,
alegrias e tristezas
saudade
de momentos divertidos, alegres, descontraídos e...
...dos outros, esses!

Fatima disse...

Oh Patti que coincidência esta. Gostei dos relatos de ambos os lados. A sintonia é perfeita.