segunda-feira, 17 de março de 2008

subidas a pulso


Costumo dizer, para assombro de alguns, que gosto do Tony Carreira. Não propriamente, do que ele faz, mas do que ele representa. Mas eu quero lá saber que o Tony Carreira, cante música romântica de letras básicas e de acordes fáceis. Quem mais neste país esgota o Pavilhão Atlântico duas noites seguidas? Gosto da simplicidade dele, da calma com que fala, do ânimo com que trabalha e de não ter adormecido à sombra da bananeira. Não gosto do estilo. Não é o meu género. Mas reconheço-lhe todo o valor e mérito.


Não se encostou a “padrinhos”, sobreviveu à custa do seu próprio empenho e venceu, dando uma estalada sem mão a muita vaidade que engorda por aí.

Ninguém tem de começar a gostar do Tony Carreira, só porque ele é famoso e venceu na vida, mas, convenhamos, que já merecia outro tratamento.



Mas ele nem precisa que eu ou que os outros gostemos dele.


É reles a pobreza de espírito das “elites” soberbas, que preferem olhar com enfado e snobismo para o lado e renegar o evidente fenómeno que ele representa. Temos sempre muita vergonha do português modesto que aspira ao sucesso e que triunfa. Não há maior grosseria e rusticidade que essa, a de sustentar pudores e manias lá do alto da nossa diminuta grandeza.

8 comentários:

claudia disse...

Apesar do género musical não ser o meu preferido ( NADA mesmo ), reconheço o sucesso que fez no Pavilhao Atlantico e que faz entre muitos Portugueses ( e nao só ).

de dentro pra fora.... disse...

Pois eu digo, gosto muito ...aliás não só da musica(porque os meus gostos pessoais são muito abrangentes) mas da pessoa em si ,...pela simplicidade ,..simpatia...,força de vida e tudo mais, Homem com H grande....e coração de menino...

LeniB disse...

Como se sabe, o "fenómeno" Carreira não é único em Portugal: é de lamentar, no entanto, que a popularidade deste e de outros, seja primeiramente reconhecida além fronteiras e só depois aqui, nesta terra plantada à beira-mar. Recordo-me, a título de exemplo, o já extinto grupo Heróis do Mar.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Confesso que não conheço a música de Tony Carreira, mas nos últimos dias, já duas amigas me surpreenderam, ao manifestarem o seu apreço por ele.
Não sou preconceituoso,( até gosto dos primeiros livros de Paulo Coelho e sou muito criticado por o reconhecer publicamente) por isso vou tentar conhecer a música do Tony e fazer um juízo mais consistente.
É para estas coisas que serve a blogosfera...para nos colocar questões em que raramente pensamos, porque formulamos opiniões, metemo-las num compartimento do frigorífico e pronto, não se discute.
Obrigado pelo seu post e pelo seu blog de que me tornei visitante asíduo

Gui disse...

Mas alguém tem que criticar alguém pelos seus gostos?

Gione disse...

Concordo com tudo o que disseste; há, no entanto, mais artistas portugueses que conseguiriam esgotar o Pavilhão Atlântico dois dias seguidos.

Obrigada pela visita :)

Ev@ disse...

Estes fenómenos são sempre muito interessantes de analisar. Porque gente com talento, humilde e trabalhadora nesta área, não falta, e é um facto que a sorte não sorri a todos.Porquê o Tony Carreira? Não sei. As fãs concerteza terão uma explicação melhor que a minha.

Anónimo disse...

gostei do que li e acho sinceramente que quem critica ou nao sabe o que diz ou tem dor de cotovelo... o tony carreira e um grande senhor, e pena que haja pouco sportugueses a ter a sua garra de apostar e acreditar