quinta-feira, 23 de abril de 2009

dia internacional do livro e dos direitos de autor

clicar para aumentar

Este é um dos tais dias, que eu comemoro também nos outros trezentos e sessenta e quatro.
Sou uma leitora exagerada, desde que o José Mauro de Vasconcelos entrou na minha vida e leio muitos e muitos livros em simultâneo. Sempre o fiz e não me traz qualquer espécie de confusão ou balbúrdia ao espírito, aliás, não concebo ler de outra forma. É um hábito enraizado que já não tem remédio, esta minha leitura orgíaca, se assim lhe quiserem chamar.
Da fotografia de cima, só iniciei agora o prémio Leya, "O Rastro do Jaguar", do Murilo Carvalho e o "Leite Derramado", do Chico, como sabem acabadinho de chegar do Rio. Todos os outros livros estão praticamente no final e já outra pilha ainda maior, se encontra a postos. E se vocês vissem as minhas listas de livros para comprar ...
Sim, sim é isso mesmo o que estão a pensar, invisto fortunas em livros. Não gasto dinheiro, invisto-o. Opções.
Ah e sapatos. Também invisto muito em sapatos.

E vocês? O que estão a ler?


Estes cinco livros de cima, são os fixos, os meus companheiros eternos, rotineiros e nostálgicos de mesinha de cabeceira. Pobres folhas, odeiam-me de morte. A mim e à minha lapiseira em riste.

Não sou apologista de que o importante é ler e que para isso, qualquer coisa serve. Assim como defendo, que há boa e má literatura, independentemente de se gostar ou não dela e não ao contrário, como muitos afirmam. A qualidade literária de um livro, nada tem a ver com o nosso gosto pessoal. Ela existirá sempre, mesmo que só haja uma única pessoa a gostar desse livro e o resto do mundo a detestá-lo.
Que não se confunda excelência com desfrute.
A Literatura é o principal veículo de qualidade, para a expansão de uma língua. Não a fala, a televisão, a rádio, a imprensa ou os computadores.
Se não fosse a Literatura
, a língua por si só não teria qualquer valor, tornar-se-ia numa série de letras moribundas e acabaria por morrer esquecida, sem direito a funeral.
É a Literatura que perpétua a língua e lhe dá reputação.


40 comentários:

BlueVelvet disse...

Há posts que fazes que tenho alguma dificuldade em comentar. Porque são tão iguais a mim, que com um Amen ficava tudo dito.
Mas isso não é comentário que se deixe e pareceria coincidência demais.
Mesmo correndo esse risco também O Meu Pé de Laranja Lima faz parte da minha vida, também leio vários livros ao mesmo tempo, também tenho uma resma para ler à espera e também invisto em livros.
Só não estamos em uníssono nos fixos e mesmo assim, só em alguns.
Pessoa e Florbela são fixos.Vinícius e Torga também. E Ary.
Agora estou a ler A Minha Herança do Obama,O Leitor de Bernhard Schlink e " A erva canta" de Doris Lessing.

Luz disse...

Assim como você, leio muitos livros ao mesmo tempo.
Agora estou lendo: O homem mais rico da Babilônia;Para Francisco;Felicidade e Homens não Ouvem, mulheres falam demais e Felicidade.

Nina disse...

Ahhh ler é bom demais mesmo Patti! Sempre fico conversando com minha filha sobre os livros que estamos lendo e tentanto entender o encantamento que os livos nos proporcionam. É tao bom discutir com ela o que lemos, juntas. Geralmente, lemos os mesmo livros, elas comeca e me diz se gostou e aí eu leio, porque ela sim, é uma leitora voraz!! Eu posso ler um livro em 3 dias, e acho que li foi mt rápido, a danadinha lê em poucas horas!! Como ela consegue??? :)

Pra esse ano, em sua lista de livros, disse que leria 50 livros, mas já está no numero 35... fora o que ela lê repetido. Por essas e outras, é que tenho tanto orgulho da Laura, sabe??!!

Eu ainda to no Ramses, acredita??!! rsrsr. Mas é bom viu? Mas como é em alemao, realmente, preciso me concentrar mais do que o normal :(

Um beijao Patti querida

once disse...

correndo o risco de exagero num "so do I" ;)

Actualmente: A Ilustre Casa de Ramires (trelendo) ;), o Homem Ilustrado (uma oferta de um bom Amigo); Biografia de Hendrick Andersen (porque me propus a escrever sobre o sonho deste fabuloso Escultor) :))


Feliz Dia do Livro Patti (eles, os livros, os seus são felizes certamente)

maria disse...

Realmente não consigo comemorar o Dia do Livro quando o resto dos 364dias do ano são dias do livro. Também sou leitora compulsiva e adoro o desfolhar de cada folha e chego sentir-me vazia quando um livro chega ao fim. A minha cabeceira da cama são livros, já que leio vários ao mesmo tempo. Também eu invisto em livros...

Pitx disse...

a ler:

http://www.amazon.com/Motel-Chronicles-Sam-Shepard/dp/0872861430

http://www.whathifi.com/TheMag/

http://www.revistapiaui.com.br/

http://moutinho.astrodatabase.net/livros/roteiro_do_ceu.JPG

maria inês disse...

Não leio! Admito!Mas tenho pena, muita! Precisava de um lugar calmo e que me desse alguma descontração para recomeçar!

sofia disse...

Eu estou a ler A TRIOLOGIA DE NOVA IORQUE do Paul Auster, o Nuno está a ler A hISTÓRIA DOS CERCO DE LISBOA do Saramago e a Madalena "Lê" tudo o que lhe aparece à frente!
Bjs

Teresa Durães disse...

a literatura tem o condão dos aromas para além de nós. Também sou uma leitora compulsiva mas leio um de cada vez

Gi disse...

Pegaste-me a tua "doença" de ler vários livros ao mesmo tempo: Sibila, As Naus (porque será?), Alice no País das Maravilhas, são os livros espalhados à minha volta.

Luis Eme disse...

e eu com tantos livros à minha espera, amontoados, a quererem ser lidos...

e também com vontade de ler descontraidamente, sem a obrigação que tem tomado conta dos últimos anos...

Si disse...

O comentário que deixei na Gi:
Cresci com ele, adorei cada letra que me dispensou em vários volumes, numa paixão que ainda hoje se mantém, apesar de, por absoluta falta de tempo, há muito não o ter como companhia diária.
Mas como verdadeiro amigo que é, sabe que, mesmo não o tendo por perto, teremos sempre uma relação privilegiada.
E acrescento: Nada se perdeu. Todos os livros que li - e foram muitos - estão cuidadosamente arquivados nas prateleiras nem sempre muito arrumadas do meu cérebro.

Rita disse...

Eu adoro ler, adoro comprar livros e quando entro numa livraria tenho muita dificuldade em escolher só um ou dois. No entanto quando leio, apenas leio um de cada vez. Estou a ler "A Trilogia de Nova Iorque" do Paul Auster e tenho resmas de livros ainda por ler mas ainda assim, quando acabar este, vou comprar o "Duas irmãs e um Rei" (ou coisa que o valha) porque ando com muita vontade de o ler. O meu primeiro livro adulto, porque antes disso lia as aventuras dos Cinco, dos Sete os livros da Patrícia Agatha Crhistie, Sherlock Holmes etc, etc, etc, foi o Papillon. Também as Rs têm resmas de livros para "ler" (eu leio uma vez e elas depois contam uma à outra) e faço questão que elas vivam rodeadas de livros para que possam gostar tanto deles como eu...
Jokas

paulofski disse...

Abro a capa deste blogue, folheio-o a cada clique com agrado e emoção, página a página, sentindo as palavras, as frases que me convidam a um bom momento de leitura.

Funes, o memorioso disse...

Bem, Patti, não resiti ao seu amável convite. Hoje, em cima da minha mesa de cabeceira estavam:
Bento XVI - Os padres da Igreja: de Clemente Romano a Santo Agostinho;
Camilo Castelo Branco - Livro Negro de Padre Dinis;
Francisco de Morais - Palmeirim de Inglaterra;
Ayala Monteiro - Os mensageiros de Lúcifer;
Laurence Rees - Auschwitz: os nazis e a solução final.
Geralmente tenho sempre meia dúzia de livros na mesinha de cabeceira. Alguns leio-os integral e sequencialmente; outros leio passagens soltas e uma página só e ponho-os de lado.
O primeiro livro que citei, de Bento XVI, é magnífico. É para ler até ao fim, cheio de gozo. O Camilo é uma releitura. O prazer é relativo. O Palmeirim é uma selecção de Rodrigues Lapa. Lê-se num ápice. Fá-lo-ei provavelmente esta noite.
O Lúcifer nem sequer o abri. Ignoro se o vou devorar ou pôr de lado após a primeira página.
O volume sobre Auschwitz é uma idiotice piegas sobre os nazis que eram muito maus. O seu conteúdo é tão primário que me irrita. Vou lê-lo todo até ao fim. Nunca resisto a coisas que me irritam.
Ontem à noite, li o "Tintim e as jóias da Castafiore".
Sou omnívoro.

eMe-a-eMe disse...

olá,
sem nada a ver com o post.
só para dizer que está tão agradável por aqui, este som... que apetece ficar.

pedro oliveira disse...

O lugar de eleição para a nossa familia e passe a publicidade é a livraria Bertrand no Dolcevita em Coimbra, é um espaço magnifico para estarmso,ler,folhear e en tão para as crianças é o ma´ximo, o espaço de diversão e adiversidade de livros faz com seja imposssivel não irmos à Bertrand ao fim de semana.Respondendo á tua pergunta, neste momento estou a ler o Tigre Branco que me foi oferecido no dia do Pai.

Marta disse...

Entre a correria do meu dia hoje, esta é uma pergunta à qual não resisto. Cá vai a minha lista do momento:
Somos o Esquecimento que Seremos
Autor, Héctor Abad Faciolince, ABSOLUTAMENTE FUNDAMENTAL! Estou a AMAR.Apetece-me meter férias para o acabar de ler! e a Quetzal merecia um prémio por o ter feito chegar a nós!

Luto Lento, poesia, João Negreiros

Eça de Queiróz/Ramalho Ortigão,de A. Campos Matos

No Silêncio de Deus,Patricia Reis

A poética do Espaço, Gasto Bachelard

Mito e Realidade, Mircea Eliade

A verdadeira História dos Pássaros e o Homem Calado, que comprei ontem!

E depois, todos os outros, que me apetecem abrir, de vez em quando, só para lhes respirar o cheiro e recordar que são meus! :)

Álex disse...

eu estou a ler As nove magníficas da Helena Sacadura Cabral - escolha de outro membro do Grupo de Leitura. Tem dado para ficar baralhada (como já postei) mas tb. tem sido interessante, confirma o meu gosto por história e a minha e n o r m e lacuna. Com este grupo e os calhamaços que, sem querer, vamos escolhendo, não tenho tempo para mais do que 1 por mês, mês e meio. Há muito tempo que ando a ler Mr. Vétigo de Paul Auster, por exemplo. Dá-me gozo lê-lo em inglês, é uma edição maneirinha e levo-a nas viagens (e acabo sempre com as revistas da praxe das viagens de comboio e os livros novos das livrarias dos aeroportos, por isso dura tanto). É um livro ao qual não perco o fio!

cristina ribeiro disse...

Coincidente com uma muito fraca feira do livro em Braga - mereciam melhor tratamento.
Acabei de reler um livro a que sempre volto: « A Obra ao Negro », de Marguerite Yourcenar, e comecei ontem « Os Cadernos de Dom Rigoberto » de Mario Vargas Llosa - pelo meio...

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Sem saber, respondi à sua pergunta num post lá no CR antes de ler o seu, Patti. Ando um miserável leitor, mas estou a preparar a vingança.
Noutro patamar de leitura do seu post: raramente consigo ler dois livros ao mesmo tempo. Gosto de saborear cada um isoladamente. Quanto à qualidade de um livro, 100 por cento de acordo.

1/4 de Fada disse...

Por incrível que pareça não ando a ler nada. Não me sobra tempo, ou seja, quando o tenho não consigo alinhavar duas linhas, o que é muito mau sinal... mas a desforra vai ser óptima.

Violeta disse...

Os livros sempre me marcaram e muito. O meu pé de Laranja Lima - que ainda há poucos dias voltei a faalr dele; as Brumas de Avalón e muito antes nas minha adolescêcia Pearl Buck. São tantos os livros que nem em atrevo a enumerá-los.
Adorei o teu post aliás como sempre muito ebm escrito.

Rosa dos Ventos disse...

Sou uma leitora compulsiva...
Ando sempre com dois, três ou mais livros entre mãos.
Concluí esta semana "O Terrorista" de John Updike, estou no final de "Gente Feliz com Lágrimas" de João de Melo, começado e interrompido várias vezes e comecei, de Marguerite Duras, "Olhos Azuis, Cabelo Preto".
Sempre ao meu lado Fernando Pessoa, Sohia de Mello e Miguel Torga.
Um poema antes de dormir é um bom calmante...
Gostei das tuas leituras...

Abraço

Fatima disse...

Neste momento leio-te a ti.
Não gosto de misturar leituras. Gosto de observar, compreender e fotografar as letras, as palavras.
Por isso não te tenho comentado, Porque o tempo para te ler calmamente não tem sido muito, hoje, por ser o dia do livro, vim aqui. Com calma com os minutos suficientes para me deliciar com as tuas escritas.
Bjs

Tiago Taron disse...

e que bonita que é a capa do "Só" do António Nobre que está na fotografia!
- Os contos de Tchékhov - Volume VI e In Vino Veritas Kierkegaard. Na cabeceira está sempre o Livro do Desassossego e o diccionário das sentenças latinas e gregas.

salvoconduto disse...

O que eu estou a ler agora? "Não dê cabo do seu PC".

Justine disse...

Mais uma vez concordo totalmente contigo: é de facto a literatura que perpetua uma língua, é a literatura que nos vai alimentando o espírito.
As tuas escolhas são excelentes [o Leite Derramado vou comprá-lo directamente no Rio, sempre tem mais sabor...:))]
Boas leituras!

f@ disse...

"O Músico Cego"
de Vladimir Korolenko é o que estou a ler…
E de novo Raul Brandão em os pescadores…

Sublime teu post…
O Pedro Oliveira sabe a magia daquele espaço...eu tb gosto mto mas há imesso tempo que não vou lá...


Beijinhos

mariam disse...

Patti,

imperdoável, não li uma linha (agradável), só trabalho, ontem!

quanta razão naquilo que escreves neste fantástico post!

gosto de 'te ler' (muito), vou 'descer' e por em dia os atrasos :( tenho andado pouco presente, desculpa.

um grande abraço amigo e o meu sorriso (de sempre)
mariam

mariam disse...

ah! e estou a ler 2 'Poesias Completas (1956-1967)' de António Gedeão e 'O fio de missangas' de Mia Couto :)

beijinhos

R.Rosmaninho disse...

Haruki Murakami, escritor Japonês que li na semana passada pela primeira vez. Comecei com "Sputnik, meu amor" e quero continuar com os outros porque adorei.
José Manuel Saraiva, "Aos olhos de Deus", romance histórico que retrata de uma forma deliciosa e irresistivel a época dos descobrimentos no reinado de D.Manuel I, estou a ler e a adorar também. A seguir vou ler "Rosa brava", do mesmo autor.
Richard Zimmler, "O último cabalista de Lisboa" e "À procura de Sana", quando se começa não se consegue parar.

Na mesinha de cabeceira: começados mas não acabados - "A Familia de Pascoal Duarte", Camilo José Cela; "Filomeno", Gonzalo Torrente Ballester. Além disso tenho sempre por lá alguns, mais técnicos, que dizem respeito à minha área (teatro) e que vou lendo nos intervalos dos outros.

Patti, também li o Budapeste do Chico Buarque e gostei, mas gosto mais dele na música.

Bem, quando começo a falar de livros não paro, por isso vou ter de me conter e acabar este comentário.

Só mais uma coisa, não sentes às vezes saudades dos livros que chegam ao fim?
Eu até chego a ler mais devagar a parte final, para não ter de me despedir.

Boas leituras!

Laura disse...

"O meu pé de laranja lima" também foi dos meus primeiros...
Junto-lhe agora, entre outros, "o deus das pequenas coisas", que me é muito especial...

Marta disse...

Patti... então não é hoje o dia das viroses?????
Trocas-me as voltas, assim...
;)

Sunshine disse...

Estou a ler " O jogo do anjo" que comprei depois de ter lido um post que escreveste. Também tenho na mesinha-de-cabeceira três livros do Al Berto e penso começar por "Dispersos".
Entre os livros sempre presentes tenho os de Fernando Pessoa, "O mar" de Sophia de Mello Breyner e por mais que cresça não consigo abandonar "O Principezinho".
Além de ser um prazer, para mim ler é também uma necessidade.
beijinhos com raios de sol

bacouca disse...

Patti,
Normalmente leio dois livros de cada vez e de generos diferentes: história-romance, poesia-biografia, etc.
Neste momento estou a ler: O veneno da madrugada e Como esticar o dinheiro e encurtar o mês.

Gasolina disse...

Eternamente, Pessoa. Neste momento, o esfarrapado entre mãos o Desassossego.

E outros mas como pesquisa para o meu novo trabalho, essencialmente históricos, estado novo.

Quanto ao que dizes, não mudo uma vírgula (pegando no teu post abaixo e que me deu um gozo solene)

Beijo

annie hall disse...

Dia 24 começa a feira do livro !:)Já tenho uma lista . Tb já tinha saudades de vir até aqui.
Hoje não consigo colaborar e responder ...ainda estou "desfocada"..levo imenso tempo a regressar :)

maria inês disse...

Hoje voltei a ler-te!

estou quase um senhora!

LeniB disse...

Agora ando numa de ler Luís Sepúlveda...