quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

"o que é que foi, ó cara de enjoadinha?"


Fomos lanchar todas, neste sítio, no sábado chuvoso que passou. As todas éramos seis, o que já chega e até sobra, para a tarde ser animada e para as mesas mais discretas, estarem com atenção às nossas conversas.
Uma das minhas amigas, diz qualquer coisa como, hoje quando fui à mercearia......" A cara, que a menina do casalinho a armar ao supé bem, que estava atrás de nós, fez! Quase que vomitou o scoone. À mercearia? Aquela disse, à mercearia?
Disse, sim senhora! Disse. E disse muito bem. Não me diga que a enjoadinha é das que vai uma vez por mês ao hipermercado da zona, com o enjoadinho à tiracolo, atafulhar o carrinho das compras até cair, com coisas que não precisa, perde uma tarde preciosa de sábado aos encontrões, na busca das promoções na secção imensa dos pensos higiénicos, faz figuras tristes a abanar-se com os folhetos que lhe enfiam na caixa do correio e depois trás para casa um talão do tamanho de um rolo de papel higiénico?
Há os que infelizmente, não têm outro opção, mas tu, oh enjoadinha, tens mesmo cara que esses momentos são o pico alto da tua vida, esses e os domingos cheios de sol, para lavares três máquinas de roupa, estenderes tudo e ainda ficares a engomar até às tantas, enquanto o enjoadinho vê os resumos da bola. Pois eu aqui no bairro adoro a minha mercearia.
Tratam-me pelo meu nome, ajudam-me com os sacos, escolhem-me as melhores laranjas para sumo, arranjam-me os legumes mais frescos, têm broa de milho da amarela, a minha preferida, e até me cortam o feijão verde, fininho, fininho, fininho, como só a minha mãe sabe cortar. Eu aqui no bairro, tenho um Sr. Francisco a quem basta fazer um telefonema, para dentro de trinta minutos eu ter prontas as mais tenras costeletas do lombo, a maior galinha do campo, os mais saborosos hambúrgueres mistos e as autênticas morcelas de Arganil. E ainda me leva tudo a casa se eu precisar. Eu aqui no bairro, quando vou comprar pão e se não tiver dinheiro trocado, pago depois. Eu aqui no bairro, vou ao mesmo cabeleireiro há mais de dez anos e ainda me dão uma apitadela para casa a dizer, pode vir. Eu aqui no bairro ainda digo, posso ficar a dever-lhe dez cêntimos?. O que é que foi, oh cara de enjoadinha, a olhares assim para a minha amiga?

5 comentários:

FM disse...

Olá! Obrigado pela visita... que espero não seja ímpar.
Deixo-te Essências de Luz.
Sê Feliz.

claudia disse...

Se essa "enjoadinha " estivesse fechada num quarto umas horitas com a Saozita... passava-lhe logo a vaidade!

Anónimo disse...

Esse seu bairro existe mesmo, ou é como o Portugal do (Engº?) SOCRATES?
Bj

Patti disse...

Existe pois! E sei que felizmente não é o único. É só estarmos atentos.

Ev@ disse...

A cara de enjoadinha era porque não saboreou um belo fondue de chocolate na companhia de 6 amigas. Coitada!!