sexta-feira, 6 de junho de 2008

guilty pleasure I


Deixei de fumar faz hoje um ano. De repente. Aproveitei uma gripe, que se tinha aproveitado de mim. Choro quando tenho gripe. Deliro com 38ºC. Cretina da gripe. Não gosto que me usem por dentro. Que me deitem ao chão. Como ela fez. E os cigarros também. E como café é sinónimo de cigarro, também deixei de o beber. Fiquei de súbito com dois problemas: o que é que dizia às amigas, quando me telefonavam para tomar café e onde punha eu as mãos?

Iria a partir de agora tomar cariocas?

Eu só lá mulher de cariocas. Iria beber cházinhos amarelos, com arzinho de chichi? Ainda hoje nunca sei o que pedir. Gosto da Frize maracujá, mas nunca têm.

O Verão estava à porta e a coisa até não foi difícil. Eu fumava muito menos nos meses de calor e detestava fumar na praia. Foi no regresso a Lisboa, lá para Setembro/Outubro, que cheguei à conclusão da falta que me fazia o primeiro cigarro da manhã. Para pensar. Gostava de fumar para pensar. Fumar, era dos melhores pequenos prazeres que tinha no dia a dia. E só sabe do que falo, quem fuma. Irritam-me os moralismos. Principalmente com os vícios alheios.

Não adianta os outros dizerem que o fumo cheira mal, que é insuportável e coisas do género. Sabem aqueles queijos que cheiram a chulé e a pés fedorentos? São do melhor que há. Nunca sabem aquilo que cheiram. Com o cigarro é mais ou menos assim. Mas muito melhor. E pior também Mata. Então, tive que deixar de fumar.

Racionalmente não fazia sentido nenhum. E se eu morresse 15 anos antes do meu tempo, porque nunca deixei de fumar? Se tivesse um cancro no pulmão, no pâncreas, na boca, na garganta? Se ... Tudo porque quis, porque escolhi continuar a fumar? Uma doença qualquer só por fumar? Sim, porque das outras ninguém se livra. Como é que eu me vingava de mim própria? Gritava comigo? Como é que eu me perdoava? Nem tinha tempo!

Como é que eu me despedia das pessoas que amo em cinco meses, em quatro meses, em três meses, em dois meses? E a minha filha, a chorar? E a perguntar-me porquê? Com medo. E quem é que lhe dizia os livros que ela tinha de ler, quem é que lhe falava de história e de filosofia, quem ia com ela aos cavalos, à dança, ao cinema, à Bershka, comer gelados ao Santini? Quem é que trocava as músicas com ela no iPod? E já não íamos a Londres as duas. A primeira vez dela em Kings Road. Já não faziamos a Kings Road, de uma ponta à outra, num sábado à tarde... Como eu já fiz. Nem ia à neve. Nem sequer ao supermercado.

Quem é que lhe espalhava o protector solar, a tapava durante a noite e lhe punha pomada nas mordeduras das melgas no Verão? E os namorados dela? Meu Deus, os namorados dela! Quem lhe secava os desgostos de amor? E a minha família, os meus amigos? Já vi despedidas dessas e não as quero para mim. Nem para os meus. Para ninguém. O maço SG Lights, continua exactamente no sítio onde o deixei. Consigo vê-lo daqui. Sinto-lhe o cheiro. Todos os dias olho para ele. Não gosto de cortes abruptos. Tenho saudades. Muitas.

Eu sou como o alcoólico que não bebe há vinte anos, mas que irá ser alcoólico toda a vida. Não fumo há um ano, mas sei que nunca vou ser Não Fumadora.


Este post é estrita e absolutamente pessoal, não tem qualquer carácter de crítica ou condenação.
Nem podia.

26 comentários:

PDuarte disse...

Podia ter sido eu a escrever este texto.
Não o teria feito tão bem, mas o conteúdo seria igual.
Com uma pequena diferença. Duas.
Ninguem me convida a tomar chá e
fez ontem (dia 4) 30 meses.
Só mais uma.
Era Marlboro.

Rosa dos Ventos disse...

Não consigo comentar porque é excessivamente doloroso para mim.
Fizeste bem.
Fumar mata mesmo! :-((

Abraço

Tá-se bem! disse...

Olá, gostei muito do que escreveste! Eu também tenho um filho e sei o quanto é difícil deixar o prazer de fumar um cigarro... ainda que...
Quem sabe um dia...

Beijo ;))

BlueVelvet disse...

Em primeiro lugar, diz-me lá como se deixa de fumar sem engordar?
Sim, porque pela fotografia, foi o que aconteceu contigo.
Percebo perfeitamente tudo o que tão bem descreves.
Mas a minha avó morreu num mês com um cancro de pulmão e nunca tocou num cigarro...
Mas que tenho que deixar, tenho.
E devo estar no caminho certo, porque de um maço passei a 4 cigarros por dia.
E a horas certas.
E isso é que me irrita.
Porque nada melhor para pensar do que um cigarrinho.
Ai, ai
Beijnhos e veludinhos azuis

Rocket disse...

acredita-me que existem vícios extintos que não deixam saudades... talvez te ajude.

bjos

Pitanga Doce disse...

E tal!! Lá vem a Pitanga com uma historinha. Uma vez fomos a praia a Mira ( não a do noorte). O meu cunhado na altura fumava maços e maços por dia. Naquele dia na praia deserta não havia um bar, quiosque, nada que vendesse o raio do cigarro. Ele deixou de fumar ali, naquele instante. Nunca tinha visto nada assim. Em compensação nunca ninguém chegou tão depressa de Mira a Viseu! O carro até cantava nas curvas e os meninos a chamarem o "Rauuul" hehehehe

Pronto. Dou-te os meus parabéns. És ajuizada e a Beatriz já me disse que a mãe é "dez"!!!!

Suelly Marquêz disse...

Patty, há dias marquei para estar com voce, olha menina coloquei um post no blog , alias passe porlá, sobre esta coisa medonha que até que enfim ficaste livre, pelo menos agora está com cheiro de PATTY, , PARABENS, E ISTO ILUMINOU MEU CORAÇAO porque assim terei voce mais tempo por aqui saudavel, linda dinamica e poderosa,E ANDA MAIS INDO PRO PARQUE CORRENDO E OUVINDO iPOD
Patty, estou precisando muito de seus conselhoS, num arranjo aqui do meu closet, consegui colocar tudo de pernas proar, desornei tudo pra colocar ordem e como voce é esmeradissima nisto estou lhe pedindo conselhos, como entramos em contato?
afinal não estou suportando ficar com tudo no chao ou dentro das caixas, beijos,
qual a melhor forma de colocar aquilo tudo que não quero mas é tudo que posso ter novamente no lugar, !
numa noite sismei e fui tirando tudo de lá, inventei quis pintar, mas....cadê a Patty?
leva este assunto pro blog aniscomcanela, vai complementar tudo que tem lá, por favor,
beijos

Gi disse...

Gostei da advertência no fim ;)
O meu marido tem um caso idêntico ao teu, largou os cigarros, que fumava desde os 11 anos, ao mesmo tempo que uma pneumonia dupla se instalava.
Nunca mais lhes pegou e nunca disse que nunca fumaria.
Já lá vão quase 3 anos.
Em contrapartida, quase ao mesmo tempo, começou o meu filho mais velho a fumar :(

♥♫♪@nn@♫♪♥ disse...

bravo patti
eu deixei ha meses
o pacote continua aqui
mas de vez em quando
ainda acendo um
fumo nem metade
e vou deitar fora
não sei
se voltarei a comprar mais quando estes acabarem ;)

claudia disse...

Pois é, eu tb deixei de fumar há 10 anos e acredita que de vez em quando aquele cheirinho...é delicioso! entao depois do cafézinho... mas sao opçoes, e custa sempre abdicar de este prazer mas a saude é prioritária!
Qt aos queijos fedorentos, isso nao filha, ODEIO queijo!
bjos e Bom fim de semana

de dentro pra fora.... disse...

Bendita força de vontade, pois se não fosse essa força...
Mas não penses no que ainda tens para fazer, faz um pouco todos os dias...assim , sem pensar muito...para não se perder muito tempo(precioso)☼

Ka disse...

Gostei imeno deste post.

Deixei de fumar fez há 2 anos e sete meses. Adorova fumar...o prazer de um ciogarro depois de um café, ou no fim de um jantar acompanhando um copo de vinho numa animada tertúlia, quando estava stressada para me ajudar a acalmar, para pensar...enfim acho que já fica uma ideia.

Hoje em dia ficam apenas as saudades do prazer porporcionado. Mas a vida fala mais alto, o Luis também e hoje quando olho para o lado e vejo alguém desesperado por um cigarro sinto um alívio enorme.

Beijos e uma excelente 6ª feira

ps - ahh o café tive de continuar a tomar senão internavam-me...:P

ps2 - Blue engorda-se sempre mas depois vai-se ao lugar é uma questão de regra amiga :)

f@ disse...

Boa Patti ,... parabéns + uma vez e sempre tu escreves mto bem... eu deixei de fumar apenas há um mês...e por todos os motivos que descreves ... tb penso nunca + o fazer..."penso" porque adoro fumar..
dá fome sim mas só lá para a TERCEIRA SENANA porque inicialmente dá insónias e nem se consegue comer nada... agora é que dá fome a sério... (sou contra aqueles que comem de+, que vivem para comer) por isso agora lutar contra a "fome" e pensar que bem me sabia um cigarrinho... e tb já nem vou ao café... sobra assim tempo para ler + ir ao cinema brincar com as gatas e pintar mto...
linda menina e esta tua foto tb mto bonita
beijinhos das nuvens

Olá!! disse...

Obrigadinha Patti ;)))

Deixei de fumar quando o H nasceu, há 15 anos... estive 10 anos sem fumar, retomei há 5... a maior estupidez eu seiiiii.

Tentei de novo há uns meses com o apoio aqui da famelga, mas sou fraca...

grrrrrrrrrr fico com uma vontade louca de agarrar neste maço aqui a olhar para mim e metê-lo na picadora de carne...

Bom fim-de-semana e vou pensar no assunto a fumar, quem sabe, o derradeiro cigarrito... era bom era :)))

Parabéns por teres conseguido e pelo texto incentivador :)

Beijossssssssss

LeniB disse...

eu, fumadora convicta me confesso:
confesso que não tenho força de vontade, porque gosto de fumar;
confesso que me ajuda a pensar; confesso que fumo cigarros a mais;
confesso que vou continuar a fumar...mais uns tempos...
tás gira...ó gaja! em que clínica removeste a casca de laranja? e o cuecame...onde o compraste?...e as meias??? bolas, ca dieta deu resultado!!!!
LOL LOL LOL LOL

Filoxera disse...

Nunca fumei, mas sei que é difícil deixar.
No entanto, conheço muitas pessoas que o fizeram. Digo-te que, como eles, fizeste bem.
Parabéns!

Coragem disse...

Tantas foram as vezes, que estas conversas, as tive comigo mesma.
Chamei-me de fraca, viciada, outras coisas bem piores, que não vale a pena aplicar aqui.

Faz um ano, que estive uma semana sem fumar, escolhi uma má altura, estava com uma depressão sem ainda me aperceber.
Resultado ao fim dessa semana, batia, literalmente com a cabeça nas paredes, fui engordando parecia uma porca.

Ainda não foi dessa, mas sim patti, tens toda a razão...Parabéns por o conseguires.

paulofski disse...

Deixar de fumar foi uma decisão. É hoje e pronto, lixo. Foi assim durante 2 anos até voltar para o antro da escola e dos café e dos amigos. No começo os "se me dão", depois lá voltaram os companheiros deste português suave, +/- 10 por dia, moderado, o primeiro cumprimentava o isqueiro só depois do almoço e do café. Puro prazer. Óh pai, tu fumas? Olha que eu sou um caça cigarros e não quero que tu fumes. Tá bem, tá! Mas não é que o puto tem razão... Lixo com eles e de vez. Já nem sei há quanto tempo, sinto-me melhor, muito melhor. O café já não quer a companhia habitual dele e o catarro faz parte do passado. Oh carago, a barriga já não me cabe nas calças! Será porque os deixei? Já sei! Sou livre, vou caminhar, vou correr, vou pedalar.


Beijos.

Pjsoueu disse...

Ares: Não tenho opinião abalizada sobre o vício do fumo: Nunca fui fumador além de alguns cigarrinhos esporádicos nos tempos de estudante de capar rota...lol...

mas prefiro (por defeito) beijar uma nina que cheire a tabaco, (confesso)...

E prefiro uma amiga viva com a frustração de não fumar do que uma amiga morta com a satisfação de ser fumadora com todos os seus prazers:)

isto é uma opinião, nada mais...lol

beijos e boa continuidade na arte de ser abstémica" lol

D.Antónia Ferreirinha disse...

Eu vou pedir licença à Lenib e fazendo uso das palavras dela, subscrevo tal e qual.
Beijinho.

SC disse...

Também me considero ex-fumadora. Mas já larguei o vício há muitos anos (12 anos? por aí...), também aproveitando uma gripe. Nos primeiros cinco sem fumar, sabia que ao primeiro cigarro que acendesse, estaria tudo estragado. Agora já posso fumar o cigarro social, e faço-o, volta e meia.
[Independentemente disso, serei sempre a favor de leis anti-tabaco em espaços fechados.]

alfabeta disse...

Sabes quem és e conheces-te muito bem, concordo quando dizes que nunca vais ser Não fumadora e isso é ter consciência de que se deres só uma passa, estragas tudo e vais voltar a fumar. Parabéns. és uma vencedora e continua assim.

Eu não deixo de fumar porque não quero, um maço de tabaco dura-me três dias, por isso não tenho grande necessidade de deixar de fumar e comecei ao 13 anos e também já fumei mais de um maço por dia.

Força nisso. bjs

miguelpontocom disse...

Parabéns.

Fez dia 6 de Maio dois anos que deixei de fumar.

As tuas razões foram e são as minhas.

È bastante verdade que dizes. O cérebro tem uma gravação que não pode ser removida acerca do prazer que temos quando fumamos um cigarro.

Fumo de vez em quando uma cigarrilha( sem travar), para matar as saudades.

Dá-me um prazer enorme, fumar desta maneira apenas quando quero e não quando preciso.

Amante da Vida disse...

"Não fumo há um ano, mas sei que nunca vou ser Não Fumadora..."
- palavras sábias…

Concordando com tudo o que disseste (deixa-me que te tuteie, como dizem os espanhóis), estas palavras resumem a vida de um “ex-fumador”.

Fez no dia 9 de Junho 4 meses que não fumo, muito pouco comparado com o teu caso e o de outros que já aqui comentaram. Fumei durante 22 anos e deixei também de um momento para o outro. Ainda hoje não sei como o consegui, pois sempre achei que não iria ser fácil. Fi-lo sem ajudas, sem compensações, sem muletas.
Engordar também aconteceu mas a actividade física ajudou a superar os dois kilitos a mais em uma semana. Recordo que foi o meu organismo que mais culpa teve no deixar de fumar, pois todos os dias me pedia joelhos que o fizesse.
O que me motiva a continuar assim?
O meu bolso, pois fui aumentado em cerca de 100 euros;
Melhor qualidade de vida;
E o mais importante de tudo, a alegria, a festa que a minha filha fez quando lhe contei que tinha deixado de fumar.
Aliás, disse atrás que não tinha muletas ou compensações, mas é mentira ... tenho uma:
Quando este meu ex-amigo (cigarrito) me provoca, lembro-me do sorriso rasgado da minha filha, do abraço motivador que recebi e das palavras ... - Boa pai ...
Senti-me um herói ...
Quanto tempo vou conseguir estar assim? Não sei, mas sinto que é uma luta diária que se vai prolongar por muitos anos … muitos mesmo

Beijos

P.S.: Afinal tenho mais uma muleta: saber que existem outros em situação semelhante a lutar ... Não somos “Fumadores” ...
Não somos “Não Fumadores” ...
Somos o quê?
“Ex-Fumadores que já Fumaram, não querem Fumar mais, mas que têm vontade de Fumar ... às vezes” .
Muitas palavras para uma categoria só. Não querendo puxar a brasa à minha sardinha eu poderia dizer que somos simplesmente ...
... “Amantes da Vida”

Patti disse...

Amante da Vida:
Eu sou uma fumadora que não fuma.
Todos os dias me apetece fumar.

Amante da Vida disse...

Patti

Ai está uma categoria que não me tinha lembrado e também faz sentido.
Temos muito caminho pela frente ...
Mas vou compensando com os aspectos positivos.

Beijos