quinta-feira, 19 de junho de 2008

tinta fresca no aparo


Eu nunca escrevi nada. Só lá pelos 18 e parvoíces. E nos testes de português. Mas isso não era escrever. Era falar com eles, com os poetas e escritores. Era sempre a última a entregar, oh menina, largue o homem que ele já morreu, e eu ria-me. Olhe que está enganada! E depois ria-se ela. Costumo enviar postais de Natal e cartas pró-forma; daquelas que acompanham as facturas. Também deixo recados no espelho da casa-de-banho, post-its ao longo da casa, sms curtos, elaboro listas de supermercado e de roupa.

Mas nem para as férias eu faço uma lista decente. E nem sequer risquei portas dos wc públicos. Nunca precisei de escrever. Tinha tudo na cabeça. E ainda tenho. Arquivado nela, em departamentos escondidos e zonas de tráfego intenso. Só não sabia que tinha de transpor as letras cá para fora. Que era preciso. Nem conhecia o que lá tinha dentro. E que ainda se mantém por aqui. Saem quando querem. Eu não peço. Aguardo.

Na zona encefálica branca, estão os escritos tolos, do gozo e da troça. A parvalheira do dia a dia, transformada em piada casual, idiota e descontraída, sem elevações. Debilidades minhas e de outros. O parolo e o prosaico. Nunca vulgar. Detesto vulgaridade. Na massa cinzenta, tenho arrumadinho os cáusticos, os sádicos e a pimenta do reino, o acre. As minhas guerras de Alecrim e Manjerona, os meus gritos e raivas. As aversões e repulsas. Os meus mortos. E a saudade.

São os que eu mais gosto. Às vezes demais. Os difíceis. Estes cinzentos todos. Na parte negra, não faço ideia. Não sei. Nem quero saber.

E também já não sei, se eu não escrevesse como seria.

27 comentários:

Fatima disse...

Se não escrevesses, seria uma perda para todos os que visitam este espaço.
Ainda bem que as letras saem....

Vera&Catarina disse...

E eu estava aqui, à tua espera. Já percebi que a hora em que muda o dia é a hora que eleges para escrever! Escrever é mesmo bom :-)

PDuarte disse...

Ainda bem que resolveste transpor. Fazes-me tão bem. És assim...como uma marezia ortográfica.
Eu só tenho massa branca. Cinzenta duvido.
Preta, se tenho, não a uso.

BlueVelvet disse...

Desde que me conheço por gente que escrevo.
Só não tenho os escritos arrumadinhos por zonas:)))
às vezes até se embaralham e começo a escrever uma coisa e sai outra.
Excelente post.
Veludinhos azuis

Gi disse...

Ai, Meu Deus, que eu só tenho zona encefálica branca!!!!
Detesto canetas de tinta permanente e quanto a aparos ...

♥♫♪@nn@♫♪♥ disse...

escrever é bom sim,
olha eu gostava de saber,
mas sei pouco
e sobretudo
em portugues não sai ....

so escrevo fluente
quando me zango,
estranho não é ?
so prosa raivosa ....

Nina disse...

Que bom que vc escreve. que bom mesmo, eu adoro tudo. vc tem alma de escritora, Pattitaaaaa.

vc ainda nao me falou se é vc nessa foto com chapéu. Já elogiei a beleza da moça bonita na praia. e falando em praia, vc comentou lá no blog que da sua varanda da pra ver o mar, ooohhh privilégio bom esse viu?!!
beijão querida

e hoje tem jogo!! aii vou precisar dividir meu coracao entre Portugal e Alemanha, rsrs.. sorte pra ambos!

de dentro pra fora.... disse...

Se não escrevesses, eu também não sei como serias, só te sei ver assim...através das tuas palavras, sempre tão bem "espremidas"...
Já faz parte de ti...
Beijinho :))

LeniB disse...

Mário Dionísio tem um anexim muito bonito sobre o acto de escrever, que agora não me lembro...embora recorde o apelo nele feito:
deve-se escrever pelo prazer, não nunca como uma imposição.
Esse prazer lê-se na tua escrita.
Continua...e nem te preocupes em saber o que está escondido na parte lunar do nosso cérebro!!!

claudia disse...

...EU SEI!!! Deixavas estas "chicas" e "chicos" com a massa "branca" afectada...porque como tu, nao gostamos de " vulgaridade ".

bjos

Borboleta disse...

Nunca deixes de escrever!
Existem pessoas que adorariam ter essa capacidade de escrita que tu tens...é simplesmente fantástico...parece que tudo flui...

Beijos

Olá!! disse...

Nunca gostei de escrever, adoro ler, gosto da forma como expões as tuas ideias, do humor que lhes aplicas, do sentimento sem floreados.... é o que chamo uma escrita com sabor...
É do melhor ter um cérebro selectivo, não achas Patti? :)

Beijos e que a tua tinta continue sempre a correr...

O Pinoka disse...

Patti,
pela forma como escreves aqui, acho que até as listas de supermercado que fazes devem ser interessantes.
Beijocas

f@ disse...

Patti... mto bonito post, como sempre, quase tb peguei no aparo para comentar aqui.
Todos temos a nossa forma de "escrever" e guardar os escritos... tb guardo em compartimentos separados mas deito mto arquivo fora para dar lugar ao mais valioso. por isso adorei lodo o teu titulo e claro depois o post todinho....
beijinhos das nuvens

Rocket disse...

é como abrir uma porta na mesma casa e descobrir uma imensidão de quartos até aí ocultos...

só comecei aos 40...

Coragem disse...

E através das palavras vais relevando a tua essencia...
Eu leio-te, vejo-te, conheço-te.

Com o que vais deixando postado diariamente, revelas, sem revelar, estou atenta ao mais básico pormenor, pois é esse que me fala de ti, e que bem me vai ele falando.

Beijo

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Curioso, Patti. Porque partilho a mesma opinião quanto ao prazer da escrita, fiz hoje um comentário lá no Rochedo sobre este assunto, a propósito de uma ( mais uma?) frase infeliz de Maria Filomena Mónica

annie hall disse...

Que saiam essas letras ,mande cá para fora nem que seja a lista das compras :)
Vou colocar uma foto da ericeira , uma loja de panos com cheiro a maresia, esperando que o motivo dê origem a uma escrita sua.
bjs

paulofski disse...

O simples acto da escrita parece dar mais clareza às nossas ideias. Exercitamos a mioleira. Misturamos as massas encefálicas numa tela de cores e palavras para dar o prazer de ler e que o deu a saber.

Os teus quadros diários são obras de arte. Os meus rascunhos são uns meros rabiscos abstractos.

Bjs

Su disse...

Ora como seria! Eu já n tinha a razão de ainda vir aqui, claro! qual seria a piada?
Que coisa mulher!

:)

Gosto mesmo de te ler pá!

Beijos

Rui Caetano disse...

Uma escrita interessante e cativante. parabéns.

M&M disse...

estava a ler-te e a imaginar um cérebro estilo aqueles armáriozinhos cheios de gavetinhas. estás a ver?
; )
cada uma, com sua surpresa.

também gosto muito dos teus textos, da tua partilha neste blog.

MirMorena disse...

Uffaaaa, pensei que vc ia dizer que não mais escreveria...não faça isso, por favor, vc e seu blog entraram para a lista das coisas que mais gosto de fazer...

Ler vc é sempre um grande prazer...

Bjuss de carinho

Alecrim disse...

Vizinha blogosférica, eu gosto tanto de vir aqui ler estes teus textos!! Não deixes de escrever. :)

Paula Crespo disse...

Cheguei aqui aos rebolões, por entre outros caminhos e atalhos.
Parabéns! Esta catarse promete...;)

APC disse...

Vim aqui parar não sei como. E estive a ler-te. E ainda bem que aqui vim parar; e que te estive a ler. Li-te desde lá de cima, e páro aqui, por hoje, num post que igualmente me agradou. Fizeste lembrar-me de algumas coisas. De algumas coisas que penso, que digo, que sou. Também gosto dos cinzentos. E já em miúda dizia que gostava "das formas triste de arte"... Fosse lá isso o que fosse!
Vim cá parar, estive a ler-te, vou-me agora, mas volto!
E deixo um abraço de entretanto! :-)

Patti disse...

APC:
Que bom que gostaste.
Volta sempre.
:)