sexta-feira, 23 de maio de 2008

aos 40*


* ou aos 50, 60, 70 ...

Eu gosto de saber de novas paixões aos 40. Gosto que me contem. E são sempre contadas entre risos e gargalhadas de 20 anos. Descobre-se tanta coisa aos 40. E a principal descoberta é que ainda falta tanto. Que se pode fazer muito.

Dizia-me ela no outro dia, qualquer coisa como: já não me sentia viva há muito tempo. Não é bestial? Não vale mesmo a pena dar murros em pontas de faca, viver vidas que já foram terminadas há muito, investir em relações vazias, por hábito, por comodismo, por masoquismos e muito menos pelos nossos filhos. Não vale mesmo. Esta vida que guardamos é seguramente um presente, que se soubermos aproveitar convenientemente, multiplica-se. Em primazias. Lucros. Prémios. E agora como vai ser? Outro amor? Um namoro? Mais umas voltas? É o que for. E venha de lá. Com a grande vantagem de que já não temos 20 anos, antes uns belíssimos 40 que nos ensinaram muito. E que hoje são nossos amigos.


Os 20 não nos têm amizade. São egoístas. Vaidosos. Pouco altruístas. São inconsequentes, não querem saber de nós. Só deles e das suas loucas experiências. Os 40 não. São companheiros. Choram connosco e carregam-nos ao colo. Têm as mesma rugas. Os 40 percebem ao mesmo tempo que nós, que está na altura de tornar a dar a volta. E por cima de preferência. Porque há quem a dê por baixo. E eu não gosto de voltas para baixo.

Eu sei, eu sei!

Que a nossa barriga já não é lisinha, que já não vestimos o nº 34/36, que os bikinis brasileiros não saem da gaveta há pelos menos 4 Verões, que temos de renovar as madeixas com regularidade, que não queremos mais desilusões e que a lei da gravidade existe mesmo. Mas por outro lado, podemos voltar as costas sempre que quisermos, dizer ao outro, baza daqui, decidir o quê, onde, como e com quem, levantar o nariz e acreditar que é mesmo verdade isto de existir outra vida para além daquela, aliás muitas outras vidas; principalmente sem grades, sem prisões, sem sentenças. Eu gosto de saber de novas paixões aos 40, apesar de a minha ser a mesma desde os 17! Eu vivo as paixões dos 40 dos outros, com imenso prazer, mesmo tendo a minha, a de sempre. Mas gosto de observar mudanças. E para melhor.


E nunca, o irmos todas juntas à casa-de-banho, foi tão bom como aos 40, pois não?

27 comentários:

Pitanga Doce disse...

Ler este texto ouvindo esta música... Ah, eu não mereço isto não!

beijinhos Patti

claudia disse...

Pois é, aos 40 ainda podemos dar uma volta importante na nossa vida: ter filhos, mudar de emprego,e claro, apaixonar-se! Como tu dizes, nao merece a pena manter uma relaçao por comodismo, nem mesmo pelos filhos.
Recentemente tive a feliz noticia de uma prima minha com 42 anos que se voltou a apaixonar...ou melhor, reecontrou o 1º amor da vida dela e está SUPER FELIZ...e, já tem o casamento marcado! Nao imaginas como está contente e rejuvenescida...uma adolescente mas com muita sabedoria. A sabedoria dos 40.
bjos especiais a todas as quarentonas!

Ah, e aos 40 tb se tiram dentes de siso...eu mesma ontem!!!! ehehehe

@nn@ ♥ disse...

ai patti :)))
eu costumo dizer
que vou na setima vida
e juro que cada vez melhor
cada vez mais bem disposta
cada vez mais feliz

beijos e bom fim de semana

Justino Pénacova aka Menino Bonito disse...

Uma inspiração para amores perdidos, sem dúvida alguma!
Gostei :o)!

de dentro pra fora.... disse...

Sabes é giro isto que escreves,:)
tenho andado a pensar nisso á já alguns dias...
e cheguei á conclusão, que depois dos 20( mais propriamente dos 18)já me apaixonei outras vezes...
mas por incrivel que pareça sempre pela mesma pessoa, eu acho possivel
re-descobrir e voltar apaixonar-me
Digo mais ..estou apaixonada,o amor aos 40 é sem duvida mais maduro, mais sábio, e muito mais , mais.. :) e não digo mais..

de dentro pra fora.... disse...

Oh! mulhéri, se gostas da boneca,vai lá buscar para pores aí num cantinho, eu ofereço :)

M&M disse...

este post foi escrito a pensar em mim, não? no meu estado de espirito; eu, tão xururu por estes dias.
há alturas ( parvas por sinal) em que nos dá para fazermos balanços, estupidos balanços, que só servem para nos por ainda mais para baixo.
eu, ainda à beira dos 40 a pensar no que está por fazer, no que não foi feito, sobem-me ansiedades, angústias...
e depois, este tempo, igualmente ranhoso que também não anima nada...

Patti disse...

M&M:
Isso é do tempo, que também não ajuda aos pensamentos. Ainda nem tens 40? Já viste que ainda te faltam mais 40 ou 50!

@nn@ ♥ disse...

voltei kuskar e vi que havia bonecas no ar !
onde é ?

beijocas

Patti disse...

@nn@:
é a de 'dentro para fora' que tem uma boneca lá no blog que eu gostei e que me ofereceu. Vai lá cuscar.
Obrigada 'de dentro...'

Ka disse...

Patti,

Adorei este artigo e concordo em absoluto com ele.

Sabes o que me lembrei enquanto lia? De uma coisa que só agora percebo: o tempo dá-nos outra forma de ver e viver a vida não é?

Beijos e bom fim-de-semana:)

Patti disse...

Ka:
Nada mais verdadeiro. E em todas a idades e em todos os tempos, se nós assim o quisermos.
Não é o tempo que ajuda, mas sim aquilo que nós fazemos com ele.

FM disse...

Adorei este texto. Parabéns.
É bom quando nos sentimos bem.
Beijos com carinho e votos de um bom fim-de-semana.

Coragem disse...

A minha não é desde os 17, mas dos 22, que maçada...ehehehehhe

É bonito sim, viver, baseia-se nisso, certo?
Querer ainda viver e ser feliz.
Mas tem que se ter uma boa dose de coragem, para deixar tudo para trás, começar de novo.

Eu recomeço, muitas vezes a minha vida, apaixono-me diversas vezes, amo muito, a diferença, é que é sempre pela mesma pessoa.
Qualquer dia começo a sentir-me mal por isso eheheh, sério!
Que culpa tenho eu, mesmo nos momentos menos bons, olhar para aquele rosto e sentir que o amo?
O interesse o desafio, a paixão que aquele "este" homem ainda desponta em mim.

Beijinho e sejamos felizes.

Gi disse...

Eu adoro a vida depois dos 40!
E tu nem sabes da missa a metade!
Mas ainda tenho barriga lisinha e os meus bikini são fio dental ;)

Patti disse...

Coragem:
Eu sei disso. Não te esqueças que o deixas transparecer nos teus posts.

LeniB disse...

Nem sei que te diga!!
Ter 40 anos e saber o que se quer é muito bom.
Ter 40 anos e dizer basta convictamente é fantástico.
Ter 40 anos e...Ahhh... fico por aqui!
bjs quarentões!!
:))))))

xô disse...

é verdade,aos 40 temos certamente mais segurança em nós próprias,menos preocupadas no que os ouros dizem e vontade de sermos felizes.a prima é comum e tbm estou super feliz por ela.FORÇA QUARENTONAS!

Olá!! disse...

Gostei dos 20, dos 30 e estou a gostar dos 40. É bem como dizes Patti, atingimos aquela maturidade e patamar em que só fazemos o que gostamos e por prazer, nunca por obrigação...
Acima de tudo manter o espirito jovem e audaz e estar sempre atentas a novas vivências e paixões, isto para quem é livre... por mim estou acompanhada e bem, felizmente :)))
Bom fds e parabéns por mais um texto cheio de optimismo e de leitura super agradável
Beijossssssssss

Nina disse...

Concordo. Aos 40 a mulher se sente mais livre de preconceitos né Patti? o tempo ensina, a gente colhe o que plantou, os filhos cresceram, enfim, é o tempo da gente. A idade da loba, uuuuu


bjs pra ti querida e bom fim de semana. Divirta-se!

Rocket disse...

quarenta é limite de velocidade só nos sinais...vuuuum...

BlueVelvet disse...

As Balzaquianas de hoje são bem diferentes, não é?
Mas verdade, verdadinha, eu por mim, ficava mesmo nos 40.
Mas como não pode ser, prá frente é que é o caminho:)))
Beijinhos e continuação de bom fim-de-semana

Ps: e a Beatriz, já actuou?

f@ disse...

Tá bonito...
4 azuis,2 brancas,1 amarela, 2 rosa
uma velha e uma partida...
molas ...pregadeiras no arame...
hoje é (des)graça - que estou sem graça... beijinhos das nuvens

PDuarte disse...

Vivi este ano o ano zero dos quarenta.
Não me preocupei muito em renovar as madeixas mas graças a Deus onde a gravidade me pode causar transtornos, os 9.8 m/s-2, ainda não vencem os Newtons que me foram generosamente atribuidos pela Providencia.
Não espero que me levem ao colo, nem pensar em usar o fio dental e gosto de estar só no urinol. Aliás, umas das coisas que mais me perturba é aquele olhar fixo de alguém na parede, que se encontra a um palmo do nariz.
Portanto, como me sinto um chabalo, estou bem nos quarenta.

Patti disse...

Blue:
Já. Foi ontem. Estou a tentar editar o vídeo para colocar aqui. Não sei se consigo. Mas correu tudo muito bem.

miguelpontocom disse...

Arranjamos uma série de desculpas para nos justificarmos como é bom ter quarenta anos.

Não é fácil quando temos um ponto de referência que são os 20, por exemplo.

Se tivéssemos como mesmo ponto de referencia os 60 anos, aí iríamos ser verdadeiros ao pensar:

- Como é mesmo bom ter 40 anos.

alfabeta disse...

O ir ao WC é sempre divertido em qualquer idade, mas a idade trás muita experiência e essa é não abdico dela. bjs