quarta-feira, 19 de novembro de 2008

noutra pele


Existem elementos de certas espécies, que mesmo com todo a evolução da natureza, resistem a identificar-se com os seus pares.
Ainda esta manhã, à conversa com uma aspirina efervescente, ela me dizia que esta modernice de caírem dentro de um copo de água e ficarem para lá a borbulhar, lhe parecia pouco digno. O decurso da sua dissipação é lento e ruidoso e aquele saracotear devasso, do ora vem acima, ora vai abaixo, deve induzir a náuseas.
Dos risinhos lúbricos que ouviu das ex-colegas de blister, enquanto flutuavam e se desfaziam dentro da água, pouco tem a revelar-me, a não ser, que o que escutou foi impróprio para uma senhora, ainda para mais uma aspirina, que tem uma tradição de títulos honoríficos a manter.
Também se queixou, da grande ignomínia que é a morte aos soluços que a espera e assegurou-me com firmeza, que sortudo era o destino das suas antepassadas, que faleciam de um só trago.
Confesso que me inspirou simpatia, uma enorme afinidade de sentimentos e fiquei a pensar no assunto, com a aspirina entre os meus dedos. A empatia foi tal, que me coloquei na circunstância por ela vivida e dei razão aos seus princípios e receios.
Num arrebatamento solidário, resolvi desfazer-me dela e das companheiras, rasgando-lhes a cobertura que as protegia e na precipitação de as salvar, fiz o que a minha amiga mais temia, atirei-as para a água da sanita, donde surgiu um geiser imenso e dos mais bonitos que já vi.
Para me libertar do incauto genocídio que acabara de cometer, resolvi imediatamente a culpa do meu acto impensado, com um pensamento positivo, pegando em parte da frase, do início deste meu post.
Existem elementos de certas espécies, que mesmo com toda a evolução da natureza, nunca atingem um orgasmo múltiplo em vida, quanto mais morrer dele. Ao menos proporcionei-lho.
E fechei a tampa da sanita para as proteger de olhares voyeurs.

24 comentários:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Nunca tomei uma Aspirina na vida ( estou mesmo a falar a sério...) mas depois desta prosa delciosa vou ali à farmácia comprar uma caixa para me divertir mais um bocado!

mariam disse...

rsrs
nunca imaginei que ler algo sobre aspirinas efervescentes ou sobre as aguinhas sanitárias fosse uma festa! ... grandes metáforas LOL

boa semana,Patti
MELHORAS!!!
um sorriso :)
mariam

A. Jorge disse...

Está simplesmente fantástico. Tens uma maneira de abordar os assuntos única!
O facto de te ter descoberto só agora imagino as coisas que perdi!

Um beijo

Jorge

salvoconduto disse...

Estou quase como o Carlos, na minha vida só tomei uma apirina C e foi a seguir a uma noitada mais alegre.

É pena não andarmos com uma tampa e podermos fechá-la sobre quem quisermos. Ena tanta tampa!

FM disse...

Simplesmente... Bestial e "efervescente".
Beijos.

Gi disse...

A isto chamo eu um post objectivo,
dá-se vida aos objectos, e medicinal, não é rir o melhor remédio?
Tu cura-te mulher que ainda te hei-de ver qual guardadora de aspirinas com elas todas atrás de ti, felizes e contentes, porque só tu lhes proporcionas orgasmos múltiplos.

Nina disse...

rsrsrsrs, que coisa! tmb nunca pensei ler algo tao íntimo sobre aspirinas efervescentes...
só vc mesmo Patti!

beijinhos!

BlueVelvet disse...

Patti,
se os americanos descobrem que o caminho mais curto para os orgasmos múltiplos são as aspirinas efervescentes vão já patentear a descoberta.
Se fosse a ti, adiantava-me.rsrsrs
Já agora, só uma perguntinha: achas que Tylenol faz o mesmo efeito?

pedro oliveira disse...

Suponho que o melhoral,aquele que nem faz bem nem faz mal, não dê tanta diversão.Um Post daqueles que só a nossa presidente nos consegue oferecer.
bjs

Rita disse...

Pois eu acho que a "morte" efervescente e flutuante num copo de água deve ser bem mais agradável do que ser corroída pelos ácidos gástricos..
Jokas

Si disse...

Ele há coisas....
Nunca pensei que o ácido acetilsalícílico facilitasse a vida sexual de ninguém....
E, olha, contrariamente ao Viagra, até faz bem ao coração.......
Sublime!!!!!!

Ka disse...

ahahaha

Acho qe nunca mais vou olhar para uma aspeirina da mesma forma!!

beijos

Teresa Durães disse...

para não falar do genucídio dos micróbrios do corpo quando se engolem

Pitanga Doce disse...

Vejam só, senhoras e senhores. Depois ela não quer que o blog ande às cores púrpuras e a bater pandeiros com florzinhas coloridas à cabeça e tal. A gaja provoca...

Eu, quanto á qualquer comprimido efervescente, passo longe. Nem Aspirinas, Vitamina C...nada, que aquilo deixa-me mais doente ainda.

Quanto a orgasmos múltiplos, já ouvi muita coisa, mas as assanhadas das Aspirinas????

beijos Patti, e fica de olho no blog ou ele se rebela outra vez. hehehe

paulofski disse...

E essa aspirina terá sido comparticipada pela ADSE?

Filoxera disse...

Só a tua imaginação para escrever um conto destes! Fizeste-me sorrir, num dia que não sorri...
Beijos.

SONY disse...

Patti, achei fantástico este teu post!

Que imaginação tu tens!

Pelo menos as aspirinas morreram felizes, que prazer dentro daquela sanita e fizeste muito bem tapares de olhares...

Aqui em casa ninguém toma aspirinas!

Fizeste-me lembrar uma história passada bem á poucos dias duma aspirina :-)

Um médico que desesperado de me perguntar se eu não tomava alguns medicamentos e sempre com resposta negativa, fazia-lhe confusão como eu me mantinha tão bem :-)

Mas não toma nem isto?
Não!

Nem toma aquilo?
Não!

já pensou no outro?
Não!

Mas não percebo então se não toma nadinha como está tão bem?
Não tomo nada !

Mas...nem uma aspirinazinha!!

Nunca me tinha acontecido tal coisa... ainda hoje me rio ao lembrar da cara que o médico fez...tive quase para aceitar a receita da aspirina para lhe fazer o favor :-)

Jito,

Sony

P.S- tinha ido ao médico apenas para me receitar a vacina, sem uma receita não a podia apanhar!!
lol

annie hall disse...

E já espreitou para ver se elas se foram.?:))))Com aspirinas nunca se sabe ;)

ines disse...

E pedia eu há 2/3 mintos uma aspirina! Já me passou foi a dor de cabeça!
"um orgasmo múltiplo em vida, quanto mais morrer dele." risos... risos e risos!

1/4 de Fada disse...

Oh Patti, tenho que rever as minhas convicções! É que eu tenho umas malditas enxaquecas que não passam com aspirinas, por isso tomo umas coisas próprias para o efeito... olha só o que ando a perder! Sabe-se lá que efeito é que as ditas podem ter em mim? Dizes tu que são das efervescentes, é? Mmmmmm.....

Paulo Cunha Porto disse...

Querida Patti,
brilhante, apesar de ser com aspirina que (e)ferve(sce) em pouca água...
Mas, além de perspicaz, o texto está actualíssimo, por congruente com a opinião abalizada do tempo que daz depender da expressão do climax a duração de certos relacionamentos. Afinal, estará ciente de que, juntando essas pílulas admiráveis à água de um jarrão, se consegue prolongar a vida das flores nela imersas...
Beijinho

cristina ribeiro disse...

Gostava de assistir a estas conversas que a Patti tem mantido com estes seres; num cantinho, e olhe que não atrapalhava :)

LeniB disse...

Andas a divertir-te à grande e "à sanita"...estou a ver.
Eu ando a divertir-me com moções...entretanto lembrei-me que devia ser engraçado ver certos papéis serem sugados pela sanita!!!
Nem digo quais!!!

O2 disse...

ahahaha, como eu me ri! Só tu pá! Completamente louca, adorei, um must! vou-me embora ainda a rir... de tal modo que tenho ali o marido a perguntar o que se passa!

:)))

Beijo

PS: bolas, esta mesmo genial! Grande metafora!